segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Ocaso do descaso

E tudo assim assaz lhe parece
Oblíquo ocaso do descaso.
E verde se faz.
Concreto.
Na pouca luz de penumbra... dançante torna-se o contraste.
E vem. Fica. E ferve a alma.
E o horizonte me parece até distorcido.
As águas escuras.
Palavras envolvem.
Frescor que encanta.
Suaviza aquela nostalgia amarga de outrora.
E logo mais o telefone toca.
E a gente vem, fica e vai embora.
Que bom.
E tudo assim até me parece estranho.
Vermelho-Xadrez.

Um comentário:

  1. Uau, Gisa! Amei cada verso!!!! Parabéns!!!!!! Amei essa descoberta!

    ResponderExcluir